Foto: Reprodução.
////

‘Além de crime, ele cometeu uma imprudência’, diz Thelma Assis sobre caso de anestesista preso por estupro

Começar

Nesta terça-feira, 12, a médica anestesiologista Thelma Assis, que foi campeã do BBB 20, comentou o caso do médico anestesista Giovanni Quintela Bezerra, que foi preso em flagrante depois de estuprar uma paciente durante uma cesárea.

Durante um programa na TV Globo, Thelma lamentou o acontecido e elogiou as enfermeiras que fizeram o flagrante. “Eu acordei ontem com essa notícia, fiquei em choque como profissional de saúde. Uma gestante, no momento que ela precisa se sentir mais protegida. É importante, sim, essa atitude das enfermeiras”, afirmou.

A anestesista definiu o ato como uma atrocidade. “Quando a gente está no hospital, a gente forma uma equipe multidisciplinar. E é responsabilidade dessa equipe, é responsabilidade do anestesista, prestar cuidado com o paciente no período que antecede o parto, durante o parto e no período pós-parto imediato. Então isso tudo que aconteceu foi uma atrocidade”, disse.

A médica afirmou, ainda, esperar que Giovanni perca o CRM (carteira do Conselho Regional de Medicina) logo. “Ser médico é muito mais do que você ser detentor de um conhecimento. Ser médico é você ser empático, é você se colocar no lugar do outro, é você ter sensibilidade, solidariedade. Então ele é portador de um CRM, que eu espero que ele perca o quanto antes”, protestou.

IMPRUDÊNCIA

Giovanni Quintela Bezerra. Foto: Reprodução.

Para Thelma, o caso divulgado na última segunda-feira é alarmante por vários motivos. Entre eles, o fato de que o médico sedava as pacientes de forma imprudente. “Tecnicamente, a anestesia pra gestantes, em sua maioria, ela toma um bloqueio, que se chama espinhal, porque a gente guia a nossa referência pela coluna. São anestesias que vão proporcionar que a paciente não sinta dor, que ela não se movimente do abdômen pra baixo. No geral, as pacientes gestantes são anestesiadas dessa forma. Salvo algumas exceções, que exigem uma anestesia geral ou uma sedação com indicação muito precisa”, explicou.

Ela explicou, também, que as gestantes precisam estar acordadas durante a cirurgia, até mesmo para a própria segurança.”Não é rotina sedar paciente gestante, até mesmo por uma proteção da via aérea. Além de manter acordada pra ter todo aquele momento sublime do parto, de recepcionar o bebê, também tem um motivo técnico. Então além de um crime, ele também cometeu uma imprudência. Ele estava expondo o paciente ao risco se ele a sedou sem indicação”, afirmou.

POSICIONAMENTO

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia soltou nota repudiando o caso e afirmou que ele deve ser punido com o maior rigor pelas autoridades responsáveis. Além disso, o órgão realizou reunião extraordinária na última segunda-feira, 11, “para deliberar sobre a imediata instauração de sindicância para apurar todos os fatos, observados os direitos do médico à ampla defesa e ao contraditório”.

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA: 

“A Diretoria da Sociedade Brasileira de Anestesiologia – SBA vem a público manifestar seu repúdio e perplexidade diante da conduta praticada por um médico nas dependências do Hospital da Mulher de São João de Meriti – RJ. Esse tipo de comportamento deve ser punido com o mais absoluto rigor por parte das autoridades competentes e demais entidades médicas, as quais têm o dever de zelar pela boa prática da medicina. Em atenção ao Código de Conduta Profissional da SBA, convocamos uma reunião extraordinária da Diretoria, que se realizará hoje 11/07/2022, para deliberar sobre a imediata instauração de sindicância para apurar todos os fatos, observados os direitos do médico à ampla defesa e ao contraditório. Atitudes como essas são absolutamente inaceitáveis e jamais serão toleradas pela SBA, que tem o dever institucional de zelar pela boa prática do ato anestésico e da segurança do paciente, em estrita observância aos princípios morais, éticos e legais.”

VEJA O VÍDEO:

Vídeo: Reprodução.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD