//

BT Pet | Quais cuidados devo ter com meu pet no verão?

Começar

Julho finalmente chegou! Esse solzão de todos os dias pede uma praia, né? E assim como nós precisamos nos cuidar no verão, nossos bichinhos também precisam de atenção. Pensando nisso, aqui vão algumas dicas para você oferecer a melhor experiência pro seu amigo de quatro patas:

1. Proteção contra pulgas, carrapatos e mosquitos

Essa prevenção é importante o ano todo, porém, no verão, reforçamos ainda mais a utilização sobretudo de repelentes, já que é uma época em que se costuma viajar com os pets para áreas com muita arborização (como sítios, fazendas) ou para a praia. Esses locais acabam sendo muito propícios para a transmissão de doenças como a dirofilariose e a leishmaniose, as quais têm um mosquito como vetor, ou mesmo a doença do carrapato.

Não podemos esquecer também que alguns animais têm o que chamamos de DAPE (Dermatite Alérgica à Picada de Ectoparasitas), portanto para evitar reações alérgicas dessa natureza, é necessário que ele esteja bem protegido.

2. Vacinas em dia

            Também importante independente do período, mas nas férias se faz mais necessário ainda, visto que o bichinho vai para um local diferente e possivelmente vai interagir com outros animais.

3. Proteção solar

Assim como nós, a exposição da pele dos pets ao sol pode gerar problemas, como queimaduras ou mesmo câncer de pele! Por isso, deve-se utilizar os filtros solares específicos para animais nas áreas com menor cobertura de pelos, além de reaplicar ao longo do dia.

Se for algo que o bichinho aceite tranquilamente, também é uma opção a utilização de roupinhas com proteção UV. Tudo é válido para proteger nossos bebês do sol, mas o ideal mesmo é sempre deixar uma área sombreada disponível para eles.

4. Hidratação

Jamais deixe de se atentar para a hidratação dos bichinhos nessa época mais quente! Você pode deixar sempre água fresca disponível, mas também é possível variar com a água de côco, frutas com alto teor hídrico (como o melão, a melancia), e até mesmo fazer picolezinhos dessas frutas para oferecer como petisco.

5. Proteção das patinhas

Sempre que possível, evite passear em horários mais quentes (entre 10h e 16h). Se porventura for muito necessário sair com o bichinho e ele seja grande demais para ir no colo, opte por proteger as patas com meias ou sapatinhos, caso ele aceite esse tipo de acessório sem estresse. Os coxins, que são as “almofadinhas” que eles têm nas patas, são estruturas muito sensíveis e podem sofrer com queimaduras seríssimas ao serem expostas a pisos muito quentes.

6. Evitar estresse

O estresse, sobretudo na espécie felina, pode propiciar o desenvolvimento de doenças. Sendo assim, se o processo de viagem for muito estressante pro seu animalzinho (e eu nem falo só do deslocamento em si, mas também de todo o processo que envolve o fato do bichinho estar fora do seu território conhecido), procure deixá-lo sob os cuidados de alguém de confiança, como um familiar, amigo, um pet sitter, ou mesmo considerar hospedá-lo em um hotel pet enquanto você estiver fora.

7. Evitar locais muito quentes e abafados

É importante que os bichinhos estejam sempre em locais frescos e arejados, com boa corrente de ar. Algumas raças, como as braquicefálicas (aquelas que têm narizinho achatado), têm questões anatômicas que naturalmente já dificultam a troca de calor, que no caso dos pets é feita em boa parte por meio da respiração.

Se submetemos um animal a uma condição de calor intenso e constante, é possível que em um dado momento o corpo dele não consiga mais equilibrar sozinho sua temperatura, mesmo com a tentativa de compensar isso com a respiração mais ofegante.

Quando esse sistema todo colapsa, o animal entra num quadro chamado hipertermia maligna, que é uma condição emergencial e caso ele não seja prontamente atendido, pode até mesmo evoluir a óbito. É o que acontece nos casos que ouvimos falar de tempos em tempos por aí, de bichinhos que são esquecidos dentro do carro sem circulação de ar.

8. Cuidados com a pele

É comum os bichinhos entrarem na água (seja doce ou salgada), correrem na areia, brincarem até ficar com um palmo de língua pra fora, mas é importante se atentar ao fato de que assim como às vezes nos incomodamos com a pele suja de areia, ou com a água salgada secando na pele, eles também podem se incomodar. Além disso, há animais mais sensíveis, podendo desenvolver dermatites e alergias por conta do contato com esses agentes.

Sendo assim, sempre após a bagunça na praia, se você tiver acesso a um chuveiro, retire o excesso de água salgada e areia do corpo do pet. Ao chegar em casa, o banho é recomendado também, mas atenção: evite dar banhos com intervalos muito curtos, porque isso também pode gerar um desequilíbrio cutâneo e gerar probleminhas de pele depois.

            E por fim, mas não menos importante, um lembrete: recolha as fezes do seu bichinho e descarte depois em um local apropriado. Todos queremos aproveitar a praia, então para ser uma experiência boa pra todo mundo, é importante que cuidemos do espaço também. Espero que julho seja um mês incrível para todos (humanos e bichinhos)!

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD