///

Em recuperação após sofrer estupro e tentativa de feminicídio, vítima grava vídeo: ‘não conheço o suspeito’

Começar

A jovem Juliana Ketely Mucha, de 23 anos, vítima de estupro e tentativa de feminicídio no município de Novo Progresso, no dia 2 de julho, ainda está internada no Hospital Municipal da cidade.

Juliana foi encontrada pela população após o crime em uma rua da cidade, com graves machucados decorrentes dos crimes de violência sexual e espancamento. Ela estava chegando em casa após o trabalho quando foi derrubada de sua motocicleta e arrastada para o local onde foi violentada. Ela ainda teve o couro cabeludo arrancado pelo criminoso.

O suspeito pelo crime é Claudionor SanDesk”, de 43 anos, que foi preso no último domingo, 3. 

Claudionor, suspeito pelo estupro e tentativa de feminicídio. Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira, 6, Juliana gravou um vídeo agradecendo a população de Novo Progresso pelo apoio. “A caminhada eu sei que não foi só por mim, mas por todas as mulheres” disse ela, referindo-se às manifestações que aconteceram na cidade após o crime. 

No vídeo, ela garante não conhecer ou ter vínculo com o criminoso. Nas imagens ela aparece com o braço e a perna esquerda enfaixadas, possivelmente pela queda da moto.

Juliana gravou um vídeo nesta quarta-feira, 6; ela se recupera da tentativa de feminicídio e de um estupro. Vídeo: Reprodução

TENTATIVA DE LINCHAMENTO

Na noite da prisão de Claudionor (3/6), a população de Novo Progresso se reuniu em frente à delegacia com o intuito de linchar o suspeito. O prédio da unidade policial foi depredado e teve vidros e muros quebrados. 

Sandesk foi transferido para o Centro de Recuperação Penal de Itaituba em operação das polícias civil e militar, para evitar que ele fosse agredido.

A polícia usou imagens de câmeras de segurança para identificar o carro usado pelo suspeito. Ele foi abordado na casa onde mora, e onde também estava escondido o veículo descrito no dia do crime.

PROTESTO

No dia seguinte ao crime (3/6), antes da prisão de SanDesk, um grupo de mulheres protestou em frente ao Hospital Municipal de Novo Progresso. Elas pediam justiça no tratamento do caso.

DIA DO CRIME

Juliana Ketelly saiu do trabalho, em uma pizzaria, por volta de 1h da manhã, quando sua motocicleta foi atingida na traseira por um carro, nas proximidades do loteamento Planalto, no bairro Jardim América. Com a batida ela caiu e o homem desceu do carro para atacá-la. O criminoso rasgou as roupas da vítima, a estuprou e a espancou brutalmente, a ponto de arrancar o couro cabeludo dela. 

A jovem foi encontrada por populares que acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e encaminhada ao hospital, onde chegou em estado grave. Em depoimento à polícia, na tarde do sábado, 2, Juliana disse não lembrar direito do que havia acontecido.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD