///

Flash Mob sobre a importância do serviço público acontece em Belém neste domingo (31)

A iniciativa é do Sindicato dos Servidores do Fisco Estadual (Sindifisco) e terá a apresentação de percussionistas, dançarinos, atores, figurantes e outros instrumentistas.

Começar

Com o objetivo de destacar a importância do serviço público, neste domingo, 31, acontece um Flash Mob a partir das 10 horas, na frente do Theatro da Paz, em Belém. A apresentação vai reunir percussionistas, dançarinos, atores, figurantes e outros instrumentistas sob o comando do professor da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (UFPA), Vanildo Monteiro. A iniciativa é do Sindicato dos Servidores do Fisco Estadual (Sindifisco).

Serão cerca de 50 “mobers” que irão apresentar composição e arranjo da peça musical de Thiago D’Albuquerque. Eles cumpriram uma agenda de ensaios individuais e em grupo, envolvendo experimentações cênicas, coreográficas e musicais.

I U QUE É FLASH MOB?

O Flash Mob é uma apresentação que reúne várias pessoas de forma repentina para uma apresentação rápida. Uma das características desse tipo de performance é a aparição em locais públicos, com grande movimentação. Assim como se juntam de forma que parece ser despretensiosa, os participantes se dispersam no meio do público em poucos minutos. 

ARTE PARAENSE:

A composição da peça musical é de Thiago D’Albuquerque. Compositor, técnico de áudio e diretor musical, ele realizou composições e arranjos para vários grupos e projetos, ministrou cursos de Bateria, na Fundação Curro Velho, e de Percussão Afro-Brasileira, nas comunidades de Itacoã e Guajará Miri, no município de Acará, pelo projeto de interiorização da referida instituição. 

A coreografia e a direção cênica foram conduzidas pela coreógrafa Ana Unger. Bailarina, diretora artística, produtora cultural, arquiteta e professora membro da Royal Academy Of Dance, ela tem mais de trinta anos de experiência à frente de produções artísticas, tendo presidido o Encontro Internacional de Dança do Pará e a Bienal de Dança da Amazônia.

O projeto tem como parceiros o Theatro da Paz, o ICA (Instituto de Ciências da Arte) e a EMUFPA (Escola de Música da Universidade Federal do Pará). 

 Segundo o presidente do Sindifisco, Charles Alcantara, “os servidores públicos são assim chamados porque servem à população indistintamente, mas servem de maneira especial às pessoas que mais precisam. Por isso, valorizar o servidor público é valorizar serviços essenciais para todos nós”, destacou. A coreografia e a direção cênica foram conduzidas pela coreógrafa Ana Unger. Bailarina, diretora artística, produtora cultural, arquiteta e professora membro da Royal Academy Of Dance, ela tem mais de trinta anos de experiência à frente de produções artísticas, tendo presidido o Encontro Internacional de Dança do Pará e a Bienal de Dança da Amazônia.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD