A ideia central do encontro, criado há 20 anos, é a defesa da Amazônia e seus povos tradicionais - Mácio Ferreira/Ag. Belém
///

Segundo dia de Fospa: cerca de 3,5 mil pessoas já passaram pelo X Fórum Social Pan-Amazônico, em Belém

Encontro tem participação de nove países da Amazônia.

Começar

Neste sábado, 30, aconteceu o segundo dia do X Fórum Social Pan-Amazônico (FOSPA). O encontro que segue até este domingo, 31, no campus da Universidade Federal do Pará, em Belém, conta com a presença de pessoas de diversas partes do mundo, especialmente dos 9 países que compõem a PanAmazônia. Pautas como a luta pelo meio ambiente e direitos humanos são discutidas.

O FOSPA é uma articulação de movimentos sociais, associações, entidades, coletivos e que tem o apoio institucional da UFPA e da Prefeitura de Belém.

Estande da Coant Imagem: Joyce Ferreira (comuns)

Até o momento, quase três mil e quinhentas pessoas entre estudantes, servidores e participantes do FOSPA passaram pelo hall do Mirante da Universidade Federal do Pará.

O encontro reúne lideranças indígenas, ribeirinhas, camponesas e urbanas a nível, local, regional e internacional, com a previsão desenvolver mais de 260 atividades, entre rodas de conversa, atos em homenagem aos mártires da Amazônia e manifestações contra o fascismo, o autoritarismo, o fundamentalismo e o ecocídio.

COMBATE AO RACISMO EM PAUTA:

Garantir a prevenção do racismo desde a infância e fortalecer a autoestima de crianças pretas foi o assunto abordado em um dos encontros, a mesa-redonda de com o título “1ª infância no centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil a partir do enfrentamento do racismo”, que contou com a participação de movimentos sociais e de representantes das secretarias municipal e estadual de educação (Semec e Seduc).

A vereadora Lívia Duarte (Psol), participou da mesa-redonda. “O estereótipo de beleza nos exclui, pretos e pretas, desde a infância, nos ambientes sociais e até na família, inclusive, ainda no nascimento, com a violência obstétrica mais incidente entre as mulheres negras, numa realidade que afeta a nossa autoestima até a fase adulta. Precisamos de um sistema educacional que garanta a plenitude da 1ª infância. Estamos falando de uma educação racista que está entranhada e que ameaça a formação anti-racista.” afirmou a vereadora em suas redes sociais após o evento.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Lívia Duarte (@liviaduartepsol)

FÓRUM VAI ATÉ DOMINGO (31)

O X Fórum Social Pan-Amazônico vai até domingo, dia 31, com mais de 1.949 inscrições individuais e 496 grupos. Espalhados em programações de cultura, mesas de debates, entre outros, dentro do Campus Guamá da Universidade Federal do Pará. Está é a segunda vez que Belém se torna anfitriã do evento, que nasceu há 20 anos dentro do Fórum Social Mundial.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD