///

Varíola dos Macacos: OMS pede que ‘homens que fazem sexo com homens’ diminuam o número de parceiros

Começar

Depois de declarar a Varíola dos Macacos (monkeypox) como “emergencia de saúde global”, nesta quarta-feira, 27, o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, aconselhou que homens que fazem sexo com homens – como gays, bissexuais e trabalhadores do sexo – reduzam, neste momento, o número de parceiros sexuais para diminuir o risco de exposição à doença.

O conselho partiu do fato de que, segundo levantamento recente da própria OMS, a varíola dos macacos já se espalhou por 78 países e tem mais de 18 mil casos notificados, dos quais a maioria (98%) é entre “homens que fazem sexo com homens”, grupo que inclui gays, bissexuais e outros que fazem sexo com homens.

Entretanto, Tedros Adhanom reforçou que a estigmatização sobre o tópico pode ser tão perigosa quanto a doença. “Estigma e discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus e podem alimentar o surto”, disse.

Tedros Adhanom, diretor da OMS. Foto: Reprodução.

O diretor afirmou, ainda, que o surto pode ser parado caso as pessoas levem o assunto a sério. “Esse é um surto que pode ser parado se os países e regiões se informarem, levarem o risco a sério e derem os passos necessários para impedir a transmissão e proteger os grupos vulneráveis. A melhor forma de fazer isso é diminuir o risco de exposições. Para homens que fazem sexo com homens, isso inclui, no momento, diminuir o número de parceiros sexuais, reconsiderar o sexo com novos parceiros e trocar detalhes de contato com os parceiros para possibilitar o acompanhamento, se necessário”, disse Adhanom.

Voltando a falar sobre o levantamento feito pela entidade, Tedros Adhanom destacou: “embora 98% dos casos até agora estejam entre homens que fazem sexo com homens, qualquer pessoa exposta pode pegar a varíola dos macacos”. E pediu cuidado com grupos de risco. “Por isso a OMS recomenda aos países que também cuidem de outros grupos vulneráveis, como crianças, gestantes e imunodeprimidos”, falou.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD